na cidade

Município inaugura Quinta do Bicho da Seda na margem da Ribeira de Algés

O espaço fica no futuro Parque Urbano de Algés e conta com uma área de 3500 metros quadrados.
No dia da inauguração.

O novo ano começou há três meses e nota-se que a aposta da autarquia continua a ser melhorar as condições de vida dos munícipes. Para isso, têm sido feitas várias inaugurações, sendo que na passada segunda-feira, 21 de março, foi realizada uma das mais importantes. O Quintalão, agora chamado Quinta do Bicho da Seda, tratava-se de um terreno completamente ao abandono que não tinha nenhum propósito. Depois das obras, este descampado transformou-se num jardim para toda a população.

O espaço renovado encontra-se no futuro Parque Urbano de Algés, tem uma área de 3500 metros quadrados e fica na margem direita da Ribeira de Algés. O arquiteto responsável pelo projeto, recriou a imagem antiga de um pomar de recreio, composto por elementos de água como uma nora. Foi ainda incluída uma alameda dupla de amendoeiras que conta com um canal de água que termina em cascata ligando dois tanques. Outras estruturas antigas nomeadamente o poço e o tanque foram recuperados. 

Neste recinto está também um núcleo de hortas urbanas com 12 talhões que irão ser atribuídos a munícipes das redondezas, consoante candidatura. O projeto começou em maio de 2021 e terminou oficialmente em fevereiro deste ano, completando quase um ano de obras. O investimento municipal necessário rondou os 955 mil euros. 

Na inauguração, o presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, fez questão de abrir o espaço ao público com um discurso. “Os cidadãos de Algés que desfrutem deste lindo parque. Nem sempre os grandes espaços são os mais agradáveis, a não ser que os responsáveis façam um estudo adequado à dimensão do local. Naturalmente que um espaço como este, tinha de ser aproveitado do ponto de vista da intimidade, visto ser um espaço acolhedor. Ainda tem a particularidade, principalmente para as senhoras e senhores da minha idade, de ser um espaço plano. É possível vir aqui dar uma volta e realizar os dez mil passos diários precisos sem grande cansaço. Andar é saúde”. 

Na mesma intervenção, o autarca revelou os futuros planos para uma das zonas mais frequentadas de Algés. O propósito da Câmara de Oeiras é fazer uma ligação extensa entre a ribeira até aos limites do concelho da Amadora, resultando num conjunto de trabalhos que irão tornar este caminho devidamente arranjado.

O objetivo, revela Isaltino Morais, é arrancar com o projeto “Portas de Algés”. Este vai tornar-se num marco do concelho principalmente para quem está a caminho de Lisboa ou vice-versa. A ribeira vai ser aberta e serão construídas passagens pedonais em madeira para permitir a ligação entre o mercado e o outro lado da praça, fazendo uma naturalização da ribeira. 

Este é o desenho inicial divulgado há cerca de um ano.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA