na cidade

Já há motas elétricas em Lisboa que vão até Algés — e os primeiros dias são grátis

São da Acciona, já estão na cidade e podem atravessar as pontes. Se quiser experimentar, até 2 de junho não paga.
Mais uma opção de transportes..

Para quem aposta na mobilidade sustentável e sem emissão de dióxido de carbono, mas não se dá bem com as trotinetes e bicicletas elétricas — ou simplesmente gostava de variar —, chegou uma nova alternativa a Lisboa. 

A espanhola Acciona lançou esta terça-feira, 28 de maio, o seu serviço de motas elétricas partilháveis na capital. A entrada compete diretamente com a eCooltra, a única empresa do género na cidade até à data. E pode andar neste transporte por vários pontos da cidade, até Algés. Esta pode ser uma boa alternativa para quem mora em Oeiras e trabalha todos os dias em Lisboa.

No total, são 300 motociclos geolocalizados e 100 por cento elétricos que começam agora a funcionar, adiantou fonte da comunicação da empresa. O serviço está disponível durante 20 horas, todos os dias, das 6 horas da manhã às 2 horas da madrugada. 

As novas motas da Acciona, que já tinha este serviço em várias cidades de Espanha, dispõem de um motor equivalente a 125cc e têm duas modalidades de condução: modo Standard “S”, com uma velocidade até 50 quilómetros por hora dentro da cidade; e o modo de condução “C”, que permite alcançar os 80 quilómetros nas vias rápidas; há ainda o modo pausa, que poupa energia e dinheiro do utilizador.

A empresa frisa que, ao contrário da concorrência, estas motas têm características que lhes permitem atravessar as pontes Vasco da Gama e 25 de Abril, o que se torna num marco da mobilidade na capital, para quem trabalha fora da cidade e pretende alternativas ecológicas e eficazes de deslocação.

Além disso, vêm com dois capacetes, o que permite que faça a viagem com companhia, e um porta-malas.

Queremos que a partir de agora desfrute da sua cidade de forma confortável, e sem contaminar, com as nossas motos…

Publicado por ACCIONA Mobilidade em Segunda-feira, 27 de maio de 2019

Preço e funcionamento

Para começar a experimentar as motas elétricas e partilháveis, só tem de descarregar a app: já a encontra gratuitamente, para iOS e Android. Depois, tem de se inscrever e preencher alguns dados e aguardar validação, num máximo de 24 horas. 

De seguida, deve localizar a mota mais próxima no mapa que aparece na app e clicar para reservar ou verificar o seu estado. A marca reserva-a para si durante 15 minutos. Escolhido o veículo, só tem de começar a viagem.

Para isso, deve abrir o porta-malas com a aplicação, colocar o capacete e arrancar pressionando o botão vermelho Mode. O mesmo botão seleciona o modo de condução que vai utilizar. No final, deve deixar a mota numa das áreas marcadas como autorizadas no mapa.

Quanto ao tarifário, o serviço é faturado tendo por base o tempo de utilização. Os preços oscilam entre os 25 e os 27 cêntimos por minuto, de acordo com o tipo de modalidade de condução que venha a selecionar. Em modo pausa, o valor do tarifário é de cinco cêntimos por minuto,

Se quiser usar o serviço com regularidade, a empresa disponibiliza pacotes de 45 minutos por 10,80€, o que representa um desconto de cerca de dois cêntimos por minuto, ou 500 minutos por 100€ — com um desconto de três cêntimos por minuto.

Até 2 de junho, aqueles que descarregarem a aplicação e procederem ao respetivo registo e validação, poderão usufruir do serviço de forma totalmente gratuita. Posteriormente, a plataforma passará a ser paga; ainda assim, todos os utilizadores vão receber 30 minutos gratuitos.

O utilizador poderá circular e parar durante o trajeto, num período máximo de seis horas, em qualquer parte da cidade.

tags: Algés, lisboa, motos elétricas, oeiras, transportes

outros artigos de na cidade

mais histórias de Oeiras