na cidade

Já foi assinado o auto de cedência para a recuperação da Quinta da Cartuxa

A Câmara de Oeiras chegou a acordo com o Estado para uma concessão de 42 anos. O investimento será de 7,5 milhões de euros.
Tem mais de 400 anos de história.

Esta quarta-feira, dia 17 de fevereiro, foi assinado o auto de cedência na Igreja da Cartuxa, em Caxias, com a presença da ministra da Justiça, para a recuperação da Quinta da Cartuxa. O Município de Oeiras vai investir cerca de 7,5 milhões de euros naquele património abandonado há 30 anos.

A Câmara Municipal de Oeiras chegou a acordo com o Estado em dezembro. A concessão é de 42 anos e o objetivo é o de “dar a dignidade merecida àquele conjunto patrimonial histórico e colocá-lo à fruição pública”.

Para o presidente da autarquia, Isaltino Morais, o acordo firmado na quarta-feira, traduz-se num “ato de cultura da maior relevância e que diz respeito a todo o País. Porque é garante de que vamos cuidar para transportar este legado, esta História e esta cultura para as próximas gerações.”

O projeto prevê ainda a criação de um Centro de Arte Contemporânea, com um programa de atividades ligadas à arte e uma residência para artistas. “Há que desburocratizar. É inadmissível que este património estivesse aqui abandonado por 30 anos”, referiu Isaltino Morais no dia da assinatura.

O Convento da Cartuxa tem mais de quatro séculos de história. A única componente do espaço que não está abandonada e desocupada é a igreja desenhada por Carlos Mardel no século XVIII.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA