na cidade

Isaltino Morais foi ao “O Programa da Cristina” e falou sobre toda a sua vida

Esta quarta-feira, 15 de janeiro, o presidente da Câmara de Oeiras foi entrevistado na SIC.
Na entrada da casa.

Pouco depois de fazer um ano, “O Programa da Cristina” teve como convidado especial Isaltino Morais. Esta quarta-feira, 15 de janeiro, o presidente da Câmara Municipal de Oeiras falou abertamente sobre o tempo que passou na prisão e da proximidade que tem com os oeirenses.

Como manda a boa educação, Isaltino Morais entrou na casa de Cristina Ferreira com um presente para a apresentadora e para Cláudio Ramos: os bombons Villa Oeiras, produzidos pelo município. Antes mesmo de se sentar o presidente ainda foi surpreendido com um vídeo das cozinheiras da câmara que sublinharam os dotes do autarca na cozinha.

Nascido em Mirandela, Isaltino Morais falou da sua infância, percurso escolar, da Guerra Colonial e da família. “Curiosamente, foi na tropa que senti mais a falta dos meus pais. Havia a formatura e o alferes entregava o correio. Dizia ‘fulano tal?’ e lá vinha uma carta. E eu não recebia cartas de ninguém. Nessa altura é que eu pensava muito nos meus pais”, recorda.

A política surgiu na vida do autarca quando o seu pai falava de Adriano Moreira, que foi Ministro do Ultramar entre 1961 e 63. “Em 71 estava eu na Guerra Colonial e havia a ala liberal. Foi o meu primeiro contacto com a política”.

Cristina Ferreira não deixou escapar a oportunidade para perguntar: “Por que é que acha que ganhou tantas vezes em Oeiras? Que é eleito mesmo depois de ter estado preso. Como é que consegue isso?” Isaltino Morais sublinha que “é da inteligência dos oeirenses”. “Porque votam em que consideram que resolve mais problemas”.

A apresentadora refere ainda a “sombra” que paira na vida do presidente de Oeiras por ter estado preso 14 meses. “Há pessoas que quando têm uma provação na vida revoltam-se e só a eles é que acontece isso. A mim fez-me bem”, remata Isaltino Morais.

Do tempo em que esteve na cadeia da Carregueira, o autarca recordou as relações de amizade e gratidão que se formaram com outros reclusos. Mas a família que estava “cá fora” era a verdadeira preocupação de Isaltino. Nunca sentiu que os familiares sentissem vergonha. “O meu filho mais novo tinha revolta. Mas a minha família sabe quem eu sou. Sabe a vida que eu faço. Sabe as facilidades que eu lhes posso dar. Sabe o nível de vida que têm. Portanto, sabe que nunca beneficiaram do facto de eu ser presidente da Câmara”, conta o autarca.

A conversa entre Cristina Ferreira e Isaltino Morais terminou com a pergunta da apresentadora: ” O que é um grande presidente de Câmara?”

Isaltino Morais explica: “É alguém que se preocupa com pessoas, em primeiro lugar. Alguém que, honestamente, procura compreender aquilo que é necessário para as pessoas. Não é aquilo que elas querem. É o que é necessário para elas. E isso não é qualquer um. Isso implica sensibilidade. Implica querer conhecer”.

tags: Câmara Municipal de Oeiras, isaltino morais, o programa da cristina, oeiras, sic, Televisão

outros artigos de na cidade

mais histórias de Oeiras