na cidade

Câmara de Oeiras diz que marina é indispensável no megaprojeto na Cruz Quebrada

A operação de loteamento para a construção do projeto Porto Cruz está em discussão pública até ao final de fevereiro.
Uma das maquetes do projeto.

A Câmara Muncipal de Oeiras vai exigir uma garantia bancária ao dono dos terrenos na foz do Jamor antes de emitir o alvará para a construção do megaprojecto que ali se prevê, por não abdicar de ter uma marina na Cruz Quebrada. A operação de loteamento do empreendimento Porto Cruz está agora disponível no site da autarquia, e encontra-se em discussão pública até ao fim deste mês.

Nas informações técnicas que acompanham o processo, pode ler-se que a Câmara condiciona a “titulação das operações urbanísticas de edificação à efetiva garantia da construção das obras programadas para a frente ribeirinha” e esclarece que “deve ser assegurada prestação de garantia bancária no valor das mesmas”.

De acordo com os serviços de urbanismo da autarquia, “a presente operação de loteamento vem introduzir impactos significativos no usufruto daquele local (…), pelo que o funcionamento em pleno deste empreendimento, com qualidade urbanística e sem comprometer o equilíbrio do território em que se insere, só poderá ocorrer aquando da existência da marina e restantes infra-estruturas associadas”.

No megaprojeto está prevista a construção de cinco lotes com seis edifícios de habitação, um hotel, escritórios e comércio. O edifício mais alto terá 19 pisos e estão previstos 1639 lugares para carros.

Estão ainda contemplados mais de 55 mil metros quadrados de espaços verdes, uma ciclovia, a linha de metro ligeiro que ligará o Jamor a Lisboa e novas ligações viárias à Marginal, incluindo uma grande rotunda.

Por outro lado, a Associação Vamos Salvar o Jamor alerta para o risco de cheias e aumento de trânsito na zona, bem como a alteração da vista do Vale do Jamor. Esta quarta-feira, 17 de fevereiro, o Movimento Evoluir Oeiras irá transmitir uma conversa com o tema “O que queremos para a Foz do Jamor?” para se debater este projeto.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA