fit

O vegetal que não pode faltar na mesa de Natal tem mais benefícios do que imagina

Não é por acaso que é utilizado nos sumos da moda: além de ser antioxidante, tem mais cálcio do que o leite de vaca.
Muito comum na gastronomia portuguesa.

Na sopa, salteados em azeite e alho, misturados no arroz, nas migas, ou transformados em esparregado. Os grelos são consumidos durante todo o ano, acompanham bem tanto pratos de peixe, como de carne, sejam cozidos ou salteados. São utilizados em muitas receitas tipicamente portuguesas e, quando o assunto é a mesa de Natal, é impossível não falar sobre eles. Afinal, é nesta época que são mais procurados.

Mais do que versáteis, estas hastes e folhas verdes têm inúmeras benefícios para a saúde. “Os grelos fazem parte da cultura portuguesa e da dieta mediterrânica desde o neolítico, período durante o qual algumas couves começaram a ser cultivadas na Europa”, começa por explicar à NiT a nutricionista Catarina Cachão Bragadeste. “Os vegetais crucíferos, da família das brassicáceas, são considerados os vegetais mais nutritivos do mundo e os seus grelos ou rebentos não são exceção”, continua.

Na realidade, os grelos são uma parte das flores das couves e dos nabos e, por isso, existem dois tipos: Brassica Napus, quando pertencem às couves, ou os Brassica Rapa L, dos nabos, mais conhecidos como espigos. “Em comum têm a sua riqueza nutricional”, tendo-lhes sido atribuída “a maior pontuação possível na escala ANDI (Aggregate Nutrient Density Index), que mede a densidade de vitaminas, minerais e fitoquímicos em relação ao valor calórico dos alimentos”, assegura a especialista em nutrição.

Ambos são pouco calóricos, não chegando às 30 calorias por 100 gramas. Quem quer perder peso, ou só procura mantê-lo, deve ingeri-los, já que se encontram facilmente à venda e aportam uma quantidade elevada de fibra e de água. Saciam e têm uma ação diurética, características muito interessantes para qualquer dieta, mas sobretudo numa de restrição calórica.

Os dois tipos de grelos também empatam em termos de hidratos de carbono, fibras e proteínas que rondam os 2,5 gramas, além de serem ambos quase isentos de gordura. “Portanto, em termos macronutricionais são idênticos”, sublinha a também autora do blogue “Diário de uma Dietista”. Se “em termos de micronutrientes, os espigos possuem maior concentração de vitamina A, em especial de carotenos, bem como de vitamina C”, “os grelos de couve ganham no teor de cálcio e de fitonutrientes antioxidantes”.

De qualquer forma, garante Catarina, “falamos de valores residuais, pelo que ambos são de enorme valor nutricional”. Não é surpresa, portanto, que os grelos tenham sido estudados pelos seus benefícios. As suas propriedades antioxidantes contribuem para a prevenção e tratamento de diversos tipos de cancro, como mama e intestino.

A nutricionista destaca aqui “os glucosinolatos”, isto é, “os compostos instáveis que quando degradados nos tecidos vegetais, se transformam em isotiocianatos”. Estes funcionam no nosso organismo como “estimuladores do metabolismo de detoxificação, contribuindo para a eliminação ou neutralização de fatores carcinogénicos e mutagénicos”.

Funções antibacterianas, antifúngicas, antitumorais, antimutagénicas, anti-inflamatórias e neuroprotetorais  — a lista de benefícios é extensa e parece não terminar. É a própria especialista quem afirma que “são diversos os estudos farmacológicos in vitro ou in vivo a demostrar um amplo espectro de vantagens”.

E não termina por aqui. Sabe aquela famosa antiga premissa de que é preciso beber leite para fortalecer os ossos? Pois bem, encontrámos a alternativa perfeita para quem não gosta do sabor desta bebida. E, além dos grelos serem mais benéficos por tudo o que já escrevemos, têm ainda uma maior concentração de cálcio e maior biodisponibilidade do que o leite de vaca— “pelo que são uma excelente alternativa de origem vegetal”.

Ainda assim, Catarina Cachão Bragadeste adverte: “É necessário ter cuidado durante a sua preparação. O melhor método de preservação dos antioxidantes e compostos bioativos dos grelos durante a cozedura é cozinhá-los a vapor”. Se preferir fazê-lo em água, aproveite-a depois para preparar sopa ou arroz. Se os saltear com um pouco de azeite, aumentará “a biodisponibilidade do cálcio, da vitamina A e dos carotenos”. Bebê-los na forma de sumos ou de batidos, também é uma boa opção.

É provável que os grelos sejam os alimentos mais saudáveis e nutricionalmente equilibrados que vai ter na sua mesa natalícia, por isso, digamos que pode abusar um pouco deles. Afinal, os seus benefícios, como já percebeu, são mais do que muitos.

Como os grelos, existem outros alimentos fáceis de encontrar nos supermercados, igualmente fonte de inúmeras vitaminas, antioxidantes e substâncias anti-inflamatórias. Carregue na galeria para descobrir quais são.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA