fit

Ela devorava snacks do mini-bar, agora é obcecada por contar calorias todos os dias

Jordana Brewster, que entra no novo “Velocidade Furiosa 9”, revelou a sua luta na alimentação e na sua vida pessoal.
Atriz tem 41 anos.

No dia em que “Velocidade Furiosa 9” chegava aos cinemas nos Estados Unidos, a 24 de junho, Jordana Brewster, a Mia da veloz saga de filmes, aproveitou o momento para revelar ao mundo a luta que travou durante anos contra o seu próprio peso — e as lições de vida que levaram ao fim do seu casamento.

O momento não foi acaso. Numa altura em que a estreia se preparava para ser mais um previsível sucesso de bilheteiras, Jordana, de 41 anos, quis mostrar o seu outro lado. Fê-lo na revista “Glamour” com o à vontade de quem sabe aquilo por que passou e já é capaz de falar do assunto. Desde então, o seu testemunho tem sido um alerta para este tipo de problemas de saúde.

“Nos meus 20 e 30, duvidei de todas as decisões que tomei. Aos 40, sei quilo a que dou valor”, escreve. A história da sua relação de 13 anos com o produtor Andrew Form foi acompanhada de uma luta muito pessoal da atriz com distúrbios alimentares. O casal separou-se durante a pandemia e só depois do divórcio é que Jordana sentiu que percebera o que devia ou não valorizar.

No seu testemunho, Jordana começou por levar-nos até aos seus 27 anos, altura do primeiro ano do seu casamento. O casal conhecera-se em “Massacre no Texas – O Início”, foi viver junto um mês depois e no ano seguinte casou-se. “No primeiro ano do nosso casamento comecei a desenvolver um distúrbio alimentar”. Entediada, apática, com apenas algumas audições pelo caminho, a atriz via-se sozinha no quarto de um hotel Four Seasons.

Era nessas alturas que devorava compulsivamente os snacks do mini-bar. Depois, saia à pressa para ir até à receção pagar o que consumira e garantir que tudo era reposto até o marido chegar ao quarto. “Tudo antes que ele percebesse que alguma coisa tinha desaparecido. Tinha esta sensação de caos dentro de mim e debater-se contra a minha inércia. Estava presa”, conta.

Aquilo que começou com binge-eating acabaria por redundar no extremo posto. Poucos anos depois, Jordana dava por si obcecada com tudo o que comia, focada no número na balança, nas calorias de cada alimento, em tudo aquilo que comia num dia. “Comecei a restringir o que comia em vez de comer sem parar. Aquele cliché de que controlar a comida nos dá a ilusão de controlo da nossa vida é verdade”.

A dada altura, recorda, “estava tão concentrada no tamanho que vestia e no número de calorias que consumia num dia que” que acabava por ignorar tudo o resto. Percebeu que tinha um problema. “Não olhei de perto para a minha carreira, nem para o meu casamento”, afirma a atriz, que conseguiu tratar este problema com muita terapia.

A atriz conta que foram precisos anos com um especialista para conseguir controlar a sua relação com a comida. Nesse entretanto, o casamento encaminhou-se para o final. É a própria que escreve que não é um caso de culpa. Os dois tinham apenas objetivos diferentes e passavam demasiado tempo longe um do outro devido ao trabalho — e para lá dos dois filhos, Rowan e Julian, nascidos de “barriga de aluguer”, já pouco tinham em comum.

No mesmo texto para a “Glamour”, a atriz fala sobre esta nova fase de vida onde encontrou mais paz e felicidade. Conta também um pouco sobre como tem sido o seu relacionamento com o investidor Mason Morfitt. “Aos 40, decidi sair da minha casca e arriscar tudo. Com isso vieram os danos colaterais ao meu primeiro casamento mas ao arriscar tudo encontrei o amor da minha vida”, escreve.

Sobre os filhos crescerem com os pais separados, a atriz realça que as famílias vêm de todas as formas e tamanhos e que agora têm oportunidade de crescer numa casa onde a mãe deles é (e se sente) autêntica.

“Tive amigos a perguntar-me pelo impacto que isto teria nos meus filhos. Viram a minha decisão como repentina, impulsiva. A questão é que não sabiam que a decisão esteve 13 anos a formar-se”. Agora, além da nova fase de vida, há uma nova fase em relação a ela própria. “Sinto-me sortuda por estar em paz com o meu corpo. E se tenho algumas dúvidas em relação ao meu corpo, agora lido com elas de frente”.

Foi há 20 anos que estreou nos cinemas “Velocidade Furiosa”, se é fã da saga, aproveite também para ler o artigo da NiT sobre a mais recente estreia, em que passamos em revista o número impressionante de veículos que já foram destruídos ao longo dos anos nas filmagens.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA