cultura

Fábrica da Pólvora apresenta nova exposição de fotografia

"Oeiras e o Património durante o Confinamento" vai estar patente, até dia 31 de janeiro, no Restaurante Maria Pimenta.
Arte enquanto janta.

A Fábrica da Pólvora foi, durante séculos, um local determinante para Barcarena a nível económico e social. Mais tarde, em 1995, o município de Oeiras comprou este equipamento e transformou-o num espaço de lazer aberto a todos, perfeito para atividades culturais. Atualmente, continua a servir o mesmo propósito e é um dos spots favoritos dos oeirenses.

E, agora, tem mais uma razão para visitar as instalações amarelas mesmo no vale de Barcarena. “Oeiras e o Património durante o Confinamento” é a mais recente exposição de fotografia que não vai querer perder. Disponível para visita até dia 31 de janeiro de 2022, esta é uma iniciativa organizada pelo Grupo de Amigos do Museu da Pólvora Negra (GAMPN) em conjunto com a autarquia. Basta ir até ao Restaurante Maria Pimenta e observar o talento de Pedro Oliveira Inácio, André Monteiro e de Carlos Ricardo.

Estes três fotógrafos portugueses partilham, claramente, a paixão pela fotografia. Pedro reside em Mafra e dedica-se a esta arte desde 1984, tendo apresentado a sua primeira exposição individual em 2005. Muitas fotografias suas já foram premiadas em concursos e já passaram pela Argélia, Coreia do Sul e Roménia. André, natural de Coimbra, é polícia de profissão e leva a fotografia como um hobby. Já o oeirense Carlos Ricardo, é oficial do exército e começou a encarar a fotografia como algo mais sério nos anos 80. 

A Fábrica da Pólvora está aberta ao público todos os dias, por isso, não há desculpas para deixar passar estes talentos fotográficos. Entre segunda e quinta-feira pode visitar a exposição entre as 10h30 e as 16 horas, sextas e sábados das 10h30 à meia noite e aos domingos apenas das 10h30 às 19 horas. 

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA