cultura

Pandemia obriga a adiar a cerimónia de entrega dos Grammy

Estavam marcados para 31 de janeiro e passam a apontar agora para março, em data ainda por confirmar.
Billie Eilish foi a grande vencedora em 2020.

Por causa da pandemia, que tem devastado de forma particularmente significativa os Estados Unidos, os prémios Grammy foram adiados de 31 de janeiro para o mês de março, em data a anunciar.

Segundo a associação de profissionais da música em declarações à Associated Press citadas pela Lusa, a 63.ª cerimónia dos Grammy, o icónico evento de atribuição dos prémios da indústria discográfica americana, decorre em Los Angeles, (no Staples Center), onde o número de infeções por Covid-19 tem vindo a crescer.

Depois de ter sido numa primeira fase menos afetada do que outros estados dos EUA, a Califórnia tem assistido, desde o início de novembro, a um aumento de infeções e tem registado diariamente milhares de novos casos do novo coronavírus.

Os organizadores dos Grammy já tinham planeado uma cerimónia adaptada ao cenário de pandemia, sem audiência, apenas com os apresentadores e artistas convidados a atuar durante a emissão, no canal nacional CBS.

A cantora Beyoncé lidera as nomeações aos prémios da indústria discográfica americana, anunciadas no final de novembro, com nove. Seguem-se Taylor Swift, o rapper Roddy Rich e a cantora britânica Dua Lipa, cada um deles com seis nomeações. A cantora portuguesa Maria Mendes está também nomeada para os Grammy, os prémios norte-americanos de música, pelos arranjos do tema “Asas Fechadas”, coassinados com o pianista John Beasley.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA