cultura

O que aconteceu a Taylor Lautner, a estrela de “Crepúsculo” que desapareceu?

Ao contrário de Robert Pattinson e Kristen Stewart, não conseguiu aprofundar a carreira. A fama provocou-lhe ansiedade.
Interpretava Jacob na saga de filmes.

Entre 2008 e 2012, estrearam nos cinemas os cinco filmes da saga de “Crepúsculo”, adaptada dos livros de Stephenie Meyer. A história adolescente sobrenatural, que misturava vampiros e lobisomens numa pequena vila americana, tornou-se imensamente popular. 

Três atores destacaram-se particularmente: Kristen Stewart, Robert Pattinson e Taylor Lautner. Na história formavam um triângulo amoroso, visto que Bella (a personagem de Stewart) tanto se aproximou do vampiro Edward (Pattinson) como do lobisomem Jacob (Lautner).

Este trio de protagonistas ficaram muito associados às suas personagens — e ter-se-ão até deparado com algumas dificuldades na indústria por isso mesmo. Aos poucos, Kristen Stewart e Robert Pattinson conseguiram distanciar-se do universo de “Crepúsculo” ao trabalharem em filmes de autor, com cineastas reconhecidos, explorando papéis muito distintos.

O mesmo não aconteceu com Taylor Lautner. Apesar de se ter tornado mundialmente famoso, e de ter apenas 20 anos quando estreou o último filme de “Crepúsculo”, só fez sete papéis desde 2012 — alguns deles foram participações pequenas e nenhum deles aconteceu numa produção propriamente conceituada. Participou em projetos como “Tracers: Nos Limites”, “The Ridiculous 6”, “Scream Queens”, “Cuckoo” e “Jogar em Casa”. Atualmente tem 30 anos.

O que aconteceu, então, a Taylor Lautner? Quando o ator se tornou repentinamente numa estrela, milhões de fãs passaram a querer acompanhar a sua vida pessoal. Queriam saber quem era a sua namorada na vida real, sobre a sua personalidade, o que fazia nos tempos livres. Os paparazzi passaram a segui-lo regularmente, interessados em explorar esse fascínio do público.

Sem qualquer hipótese de privacidade, o ator de 20 anos acabou por se afastar. “Passei muitos anos sem sair de casa, ou, se saísse, levava um chapéu, óculos de sol e ficava assustado”, contou no programa “Today”, da estação de televisão NBC, em janeiro deste ano. Toda a pressão mediática, e também pelo facto de ter sido considerado um sex symbol tão jovem, fizeram-no desenvolver uma ansiedade profunda.

“Provocou algo dentro de mim e, nem eu sabia, mas tinha medo de sair à rua”. Uma qualquer saída, por mais banal que fosse, envolvia deparar-se com os paparazzi. Taylor Lautner chegou a ter, segundo o próprio, uma dúzia de carros à sua porta prontos para o seguirem.

Passado algum tempo, o mediatismo virou-se para novas estrelas e, tão rápido como se tornou famoso, o interesse que despertava também se dissipou, algum tempo depois. Aí surgiram as dúvidas e inseguranças. Como o ator explicou, quando se tem toda aquela atenção, o objetivo é ter “uma vida normal”. Mas quando tudo desaparece, “começas a questionar-te e a pensar ‘será que as pessoas já não querem saber de mim?’”.

Taylor Lautner começou a duvidar de si próprio: será que não era bom o suficiente para trabalhar em Hollywood? Porque é que as pessoas já não o abordavam com o mesmo entusiasmo? “Reparas nisso e é a parte perigosa, porque pode mexer muito com a tua cabeça.” O ator explicou que ser considerado um one hit wonder (ou seja, alguém que tem apenas um sucesso) pode ser tão prejudicial como ser perseguido pelos media.

Na sua vida pessoal, conheceu — através da irmã — aquela que seria a sua noiva, Tay Dome. Quando celebraram o noivado em novembro do ano passado com uma publicação nas redes sociais, Taylor Lautner demonstrou o papel que a sua namorada teve neste longo processo.

“Acalmas-me quando estou ansioso. Fazes-me rir imenso. E cada dia que passo contigo é especial. E, mais importante do que tudo, tornas-me uma pessoa melhor”, escreveu o ator. Mantendo o perfil reservado, Taylor Lautner fez o pedido de casamento num dos sítios onde mais tempo passam: na cozinha.

“Quando ela chegou a casa no final do dia, após um dia árduo de trabalho, fiz-lhe o pedido e foi uma boa surpresa”, contou ao site “Access Hollywood”. E, sim, Tay Dome era fã da saga de “Crepúsculo”, apesar de ser mais Team Edward. “Ela influenciou, em grande parte, a posição mental onde estou atualmente”, explicou. Taylor Lautner considerar estar psicologicamente mais equilibrado e vai partilhando episódios da sua vida com os sete milhões de seguidores no Instagram.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA