cultura

Nova série da SIC é sobre um político corrupto (e foi criada por João Miguel Tavares)

“Prisão Domiciliária” estreia na Opto a 16 de abril e conta com atores como Marco Delgado, Afonso Pimentel ou Sandra Faleiro.
Corrupção é tema principal

Está prestes a estrear a nova série da SIC, “Prisão Domiciliária”, que chega à plataforma Opto a 16 de abril. Apresentada como uma série de Patrícia Sequeira e João Miguel Tavares, foi escrita por Tavares em conjunto com Rodrigo Nogueira, Tiago Pais e Catarina Moura. Era um projeto em desenvolvimento há alguns anos.

O enredo conta a história de Álvaro Vieira Branco, um ex-ministro que é colocado em prisão domiciliária no âmbito do caso “Marinada”. O influente político é suspeito de corrupção, tráfico de influências, participação económica em negócio, prevaricação e abuso de poder.

Tudo isto faz com que a polícia investigue melhor a vida do antigo ministro e perceba que este não tem rendimentos que expliquem o seu nível de vida. Preso em casa, é obrigado a arranjar novas estratégias para fazer face aos seus gastos e aos daqueles que o rodeiam, ao mesmo tempo que “procura livrar-se do caso, descobrir o denunciante e manter a influência na esfera pública e partidária”.

A trama acaba por envolver ainda o advogado do político, um antigo bombista das FP-25 e toda a família que gravita em torno do dinheiro e influência do agora réu.

Para levar a história até aos espectadores foi escolhido um elenco que irá contar, entre outros, com nomes como Marco Delgado, Sandra Faleiro, Afonso Pimentel, Paula Magalhães, Diogo Amaral ou Filipe Vargas. O trailer vai ser divulgado durante esta quinta-feira, 1 de abril.

Até agora, estrearam na Opto séries como “O Clube”, “Esperança” e “A Generala”.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA