cultura

Hugh Grant revela a cena “dolorosa” que odiou fazer em “O Amor Acontece”

O ator britânico não gostou, mas a sequência acabou por se tornar uma das mais icónicas da comédia romântica.
Nós percebemos-te, Hugh.

No início dos anos 2000, Hugh Grant recebia em mãos o guião de “O Amor Acontece”. A comédia romântica, que estreou em 2003, haveria de se tornar num dos clássicos natalícios modernos, algo que o ator britânico não imaginava que acontecesse. Como também não previu o sucesso que ia fazer uma das cenas da sua personagem que gostaria de ter cortado, antes mesmo de as gravações começarem.

“Vi-a no guião e pensei: ‘Bem, vou odiar fazer isto’”, confessou em entrevista a Diane Sawyer, a propósito da reunião especial do elenco. A cena em questão é aquela em que, o primeiro-ministro interpretado por Grant não resiste a dar uns passos de dança ao som de “Jump”, das The Pointer Sisters. Com pouco mais de um minuto, a cena mostra a personagem a bailar pelos corredores do número 10 de Downing Street, a residência oficial do chefe de governo britânico.

“Não gostei mesmo nada de fazer aquela dança, muito menos de ter que ensaiar”, disse. Segundo o realizador Richard Curtis, o ator disse que não queria avançar com a cena e que, no dia da gravação chegou ao set “maldisposto”. “Acho que ele estava a contar que eu adoecesse ou algo do género, e dissesse ‘bem, que pena, acho que vamos ter de cortar a cena da dança’”, explica.

Grant, apesar de considerar que estava completamente fora do ritmo, confessa que acabou por entrar no espírito. E ficou tão entusiasmado que terá tido a ideia de acrescentar um pormenor delicioso à sequência: sugeriu que uma das assistentes do primeiro-ministro o apanhasse em plena dança. A introdução da reação da funcionária contribuiu de forma decisiva para tornar o momento um dos mais icónicos e apreciados do filme.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA