cultura

Este domingo leve os miúdos a ver curtas-metragens de animação em Carnaxide

Dia 14 de maio chega mais uma edição de “Filminhos Infantis à Solta pelo País” ao Auditório Municipal Ruy de Carvalho.
“As aventuras do lobinho cinzento no outono” é um dos filmes em exibição.

Pais, marquem na agenda: este domingo, 14 de maio, há cinema infantil para ver em Carnaxide. Como vem sendo habitual, um domingo por mês, o Auditório Municipal Ruy de Carvalho recebe o evento “Filminhos Infantis à Solta pelo País”, para uma manhã dedicada às curtas-metragens de animação. A iniciativa, organizada pela associação cultural Zero em Comportamento, foi lançada em 2014 e, desde então, tem levado a sua programação a vários locais do País, tanto em sessões para famílias, como também para escolas.

Um dos seus objetivos é “disponibilizar filmes de grande qualidade artística mas que, ao mesmo tempo, apresentam um conteúdo de significativo valor educativo e que, portanto, são perfeitos para os educadores, pais e professores, abordarem diversas questões fundamentais para o crescimento das crianças e jovens enquanto seres humanos conscientes e críticos do mundo em que vivemos”, refere a organização.

A sessão, dirigida a miúdos com mais de quatro anos, está marcada para as 11 horas. Serão exibidas oito curtas-metragens de animação, com uma duração total de 54 minutos. Todos os filmes escolhidos para exibição misturam entretenimento com conteúdos pedagógicos, ao ponto de todas as sessões incluírem uma ficha pedagógica. 

A sessão para famílias tem o valor de 3€ por pessoa com reserva e pagamento até ao dia da mesma. O valor sobe para 3,50€ caso não efetuar reserva e fizer o pagamento no próprio dia. Pode efetuar as reservas online ou através do número de telemóvel 919 819 597. A abertura das portas faz-se 20 minutos antes do início da sessão, no Auditório Municipal Ruy de Carvalho, que fica no número 3, da Rua Cesário Verde, em Carnaxide. 

Que filmes serão exibidos?

A primeira curta-metragem que vai poder ver é “A Janela”, que conta a história de um rapaz que não gosta de brincar na rua e prefere ficar em casa a ler histórias, até que um dia conhece uma rapariga e percebe que não é nada parecido com o herói do seu livro. O filme francês, de 2012, tem assinatura de Camille Müller e cinco minutos de duração.

Segue-se “Guarda-chuvas” de José Prats, uma coprodução entre Espanha e França, lançada em 2020. Com dez minutos, acompanhamos a vida de uma menina que muda totalmente quando a sua cadelinha desaparece. Para encontrá-la, embarca numa aventura de autodescoberta onde será obrigada a enfrentar seu grande medo: a chuva.

Da Alemanha chega “Ão-ão”, com sete minutos. Criado por Markus Eschrich e Johannes Lumer, foi lançado em 2017 e traz-nos o desenho de um cãozinho de três patas que está triste e sozinho. Para escapar da solidão, cria um novo amigo, Pete, amachucando o papel onde foi desenhado. Dá-se então início à jornada dos dois em busca da quarta pata.

Pode ver também o holandês “Os Tumblies”, de Patrick Raats, lançado em 2013. Com cinco minutos, vai entrar no mundo lúdico dos três Tumblies e do seu cãozinho de estimação, que são simpáticos personagens coloridos, feitos de duas, três ou quatro partes e que se estão sempre a desmanchar. 

Da Noruega chega “As aventuras do lobinho cinzento no outono”, de Natalia Malykhina, lançado em 2020. Durante seis minutos vai acompanhar o lobinho cinzento e os seus amigos, que vão usar a imaginação para voar mais alto e mais rápido que os pássaros, tentando escapar do inverno.

“O miúdo loiro e a ovelha branca” é a sexta curta a ser exibida. A história do pequeno Pierre que, de volta às aulas, relembra as férias passadas com a sua adorável ovelha tem a duração de nove minutos e é da autoria do francês Eloi Henriod. A Estónia está representada por “As aventuras de Miriam: a moldura partida”. O filme, com duração de cinco minutos, foi lançado em 2009 por Priit Tender. 

Por último, poderá ver o francês “No fim do mundo”, considerado, por muitos, como um dos melhores e mais cómicos filmes de animação de sempre. Com sete minutos, o filme de 1998, traz as peripécias de uma casa precariamente equilibrada. Construída na parte superior de um monte, balança para trás e para a frente, para grande descontentamento dos seus inquilinos.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA