cultura

Ator português Paulo Matos traz a “epopeia de uma fuga” ao Teatro Independente de Oeiras

"Refugiado" é a peça que poderá ver nos dias 30 e 31 de maio. Os bilhetes custam entre 15€ e 18€.
Paulo Matos em cena.

Com mais de 90 produções no currículo, o Teatro Independente de Oeiras (TIO) tem, todos os meses, uma programação recheada com diferentes espetáculos para todo o tipo de público e idades. Orgulha-se de dar palco a artistas nacionais e internacionais e, entre uma peça e outra, não há tempo para arrefecer os assentos da plateia. Se é fã de teatro e está sempre à procura de novas peças para ver, perto de casa, tome nota da que estará em cena na próxima semana, dias 31 de maio e 1 de junho. 

Depois de já ter passado por várias salas portuguesas, o ator Paulo Matos traz a Oeiras este “Refugiado”, um monólogo encenado e interpretado pelo próprio, sobre “o maior drama humano dos nossos tempos”. Caracterizada como uma peça de teatro atual e sem fronteiras, esta “epopeia de uma fuga” tem como objetivo promover um debate de ideias sobre uma das grandes problemáticas do mundo atualmente, despertando a reflexão emocional sobre a crise dos refugiados. 

A 93.ª produção do TIO é inspirada no relato de um homem que foge do seu país de origem, onde a vida se tornou num inferno, para procurar um futuro melhor noutro lugar. Paulo Matos é a figura central do espetáculo, onde também se destaca a cenografia, que cria um ambiente que confronta o público com “a dureza da impressionante jornada de um refugiado, narrando emoções intensas ligadas à partida, à viagem, aos sentimentos de esperança e sonho de um recomeço”, refere a sinopse. 

“Ele revive e relata-nos o caminho, o trajeto, o próprio ato de caminhar, viajar, atravessar, na esperança de uma sobrevivência e de uma chegada à ‘cidade do mundo rico’, para o recomeço de uma vida nova. A viagem é tanto exterior, no confronto com todos os perigos e todas as lutas, como também interior, dentro do que o personagem sente, reflete e experimenta. O texto fala-nos dos dilemas interiores, do sofrimento, do rompimento operado com o lugar de origem e da sua relação com Deus, ‘esse eterno ausente'”, revela a apresentação da peça.

Ator, encenador, professor, gestor e produtor cultural, Paulo Matos é um rosto bem conhecido do público português, com muitos projetos realizados tanto no teatro, como no cinema e na televisão. “Abrir as portas do nosso teatro ao Paulo Matos é uma obrigação artística e um privilégio”, refere Carlos Almeida Ribeiro, diretor do Teatro Independente de Oeiras. 

“Paulo Matos foi meu professor de teatro em 1992 e faz parte do núcleo de pessoas que me marcaram. Quis o destino e os caminhos felizes do teatro que se desse, ao fim de 30 anos, um reencontro absoluta e profundamente fenomenal e emotivo”, comenta Carlos d´Almeida Ribeiro. “Ter este ‘Refugiado’ do Paulo Matos no TIO é ter um encontro íntimo com o refugiado que cada um de nós tem em si mesmo. É ter um encontro com os refugiados mirantes, imigrantes e emigrantes que circulam pelo mundo fazendo dele a sua casa. A nossa casa comum”, acrescenta. 

Uma casa comum que é precisamente o que Carlos d´Almeida Ribeiro tem feito com o Teatro Independente de Oeiras. “O TIO tem servido de refúgio a muitos artistas, emergentes, consagrados, premiados, desconhecidos. Enquanto diretor, teimo em fazer desta casa, uma casa para todos, um local de acolhimento e de bem receber para qualquer refugiado”, sublinha. 

A peça será acompanhada, em palco, pela presença e pela música da violonista Beatriz Corodi. Há duas sessões marcadas para as 21h30 de dia 31 de maio 1 de junho, sexta-feira e sábado, respetivamente. Os bilhetes custam entre 15€ e 18€ e estão à venda no site da Ticketline e nos locais habituais. A bilheteira do auditório funciona nos dias de espetáculo, entre as 20h30 e as 21h30.

Uma peça impactante.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA