cultura

Município de Oeiras apresenta candidatura a Capital Europeia da Cultura

O evento decorreu este sábado, 16 de outubro, no Navio Escola Sagres.
Isaltino Morais na apresentação no Navio-Escola Sagres.

O município de Oeiras tornou-se numa referência no nosso País e é líder em campos como a ciência, tecnologia e a inovação. Nesse sentido, o concelho entregou a sua candidatura para Capital Europeia da Cultura 2027 e a apresentação oficial decorreu no passado sábado, 16 de outubro, no Navio-Escola Sagres.

“Considerando as várias dimensões da nossa candidatura, sendo uma delas relacionado com o mar e a linha de fortificações de defesa da costa, apresentarmos a candidatura simbolicamente aqui, no Navio-Escola Sagres. Uma Capital Europeia da Cultura praticamente dentro de Lisboa pode ser muito importante, não só para a Área Metropolitana de Lisboa, mas para todo o País. A apresentação neste navio também visa dar esta dimensão nacional que nós queremos que tenha a Capital Europeia da Cultura”, sublinhou o Presidente da Câmara Municipal de Oeiras, Isaltino Morais, na cerimónia de apresentação.

Jorge Barreto Xavier, Comissário do “Oeiras27”, projeto que inclui esta candidatura, também esteve presente no evento e explicou a importância da associação das marcas “ciência e tecnologia”, que já distinguem o concelho, à “arte e cultura”. Assim, este projeto não se vai ficar pela candidatura de Oeiras a Capital Europeia da Cultura, incluindo uma programação bastante preenchida no futuro.  

“O conjunto de ações que estamos a programar, ultrapassam, obviamente, um dossier de candidatura e uma candidatura vencedora. Ao mesmo tempo, há um conjunto de equipamentos que estão a ser preparados. Equipamentos que correspondem à criação de museus de arte contemporânea, projetos de valorização do património edificado, dinâmicas programáticas a nível cultural. Tudo isso corresponde a um novo patamar de desenvolvimento que o Dr. Isaltino Morais quis acrescentar àquilo que já se comcretizou”, referiu Jorge Barreto Xavier. 

Este título, criado em 1985, já foi atribuído a 62 cidades europeias. A visibilidade e o prestígio destas cidades foi notório e é isso que o município de Oeiras procura neste fase. Uma grande ajuda serão as cerca de 104 empresas que se fixaram no território oeirense, fazendo deste o segundo município do País com maior número de grandes empresas, a seguir a Lisboa. 

Segundo o presidente da Câmara de Oeiras, o que se pretende é unir o concelho, não só a partir de estradas, mas de espaços como praças centrais, como se de ágoras se tratassem, maior programação para aproveitar o potencial do Parque dos Poetas, valorização da cultura amadora, reabilitação de património, a criação de um museu planeado para celebrar a importância da Barra do Tejo e das fortificações marítimas da mesma.

No futuro próximo, vai dar-se início à construção de diversos espaços como o Centro Cultural de Linda-a-Velha, que terá uma sala de espetáculos com capacidade para 1400 pessoas, o Centro de Congressos de Paço de Arcos, o Hub de Indústrias Criativas de Porto Salvo e o centro de interpretação do Castro de Leceia.

Nas últimas décadas, Oeiras tem vindo a formar a sua identidade enquanto município, tornando-se criativo, qualificado, cosmopolita e competitivo. Inovação é palavra de ordem neste pedaço de território da Área Metropolitana de Lisboa e os mais de 175 mil habitantes distribuídos pelas 28 localidades são testemunhas disso.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA