cultura

34 anos depois, discos de vinil voltaram a ser mais vendidos do que os CD

A procura por vinis tem aumentado bastante nos últimos anos e o relatório de 2020 refleta esta nova tendência.
Um momento histórico.

O mundo da venda física de música acaba de ter novidades que há uns anos poderiam parecer impossíveis. Os vinis ultrapassaram, pela primeira vez em 34 anos, os CDs nos Estados Unidos. De acordo com um relatório da Associação Americana da Indústria de Gravação, as vendas dos discos de vinil chegaram aos 231, 1 milhões de dólares ou 195 milhões de euros, enquanto que as receitas de venda dos CDs foram de 108 milhões de euros, nos primeiros seis meses do ano,

Ainda assim, a venda física de música desceu 23 por cento na primeira metade do ano, muito provavelmente por causa do confinamento, uma altura em que as pessoas deixaram de ir às lojas de música. As vendas de Cds diminuíram 48 por cento enquanto que as de vinil aumentaram, especialmente durante um evento de três dias com preços mais baratos, onde foram vendidos 802 mil discos. As vendas de música no digital também diminuíram 22 por cento, representando 296 milhões de euros.

A nível geral, a indústria musical teve mais receitas neste período, contando com um lucro de 4.1 biliões de euros na primeira metade de 2020 — o streaming representou 85 por cento da receita total. Além disso, há também boas notícias neste setor emergente. As subscrições pagas de serviços de streaming musicais, como o Spotify ou Deezer,  aumentaram 24 por cento, o que representa um futuro mais animador para a música — e significa que os ouvintes estão dispostos a pagar para ouvir música e apoiar os artistas.

tags: CD, discos de vinil, vendas

outros artigos de cultura

mais histórias de Oeiras