compras

O presépio de Natal gigante mais famoso do País já chegou ao Oeiras Parque

A instalação, que recria a história do nascimento de Jesus, é da autoria da artista plástica Cláudia Perdigão.
Aproveite para ver as decorações de Natal.

O Oeiras Parque, em conjunto com a artista plástica Cláudia Perdigão, decidiram criar um presépio magnífico: uma instalação única, com figuras realistas, que conta a história do nascimento de Jesus. Com este presépio, o Oeiras Parque pretende que os visitantes contemplem esta história do Natal, esperando que o mesmo lhes transmita a harmonia e o brilho desta época.  

A artista plástica Cláudia Perdigão recriou uma gruta, no local da celebração do nascimento, e toda a aldeia iluminada à sua volta, com casinhas, árvores e figuras que se mexem. A instalação tem por objetivo criar um cenário mágico que transmita paz e harmonia neste Natal.

O presépio foi montado no piso 2 do shopping e é composto por uma volumetria decrescente, tem uma altura de três metros, que vai desde o topo das árvores até 30 centímetros do chão, ocupando uma área total de aproximadamente 30 metros quadrados.

O Natal é uma das alturas do ano mais querida para os oeirenses e o Oeiras Parque quis assinalar esta quadra natalícia de uma forma marcante e diferente do habitual. Poderá visitar tanto a instalação do presépio no piso dois, tal como as decorações de Natal do shopping, até janeiro.

Em 27 anos de trabalho, Cláudia Perdigão afirma que nunca repetiu uma decoração de Natal. Nascida no Rio de Janeiro, viveu alguns anos da sua infância com a família em Portugal por causa do pai, que era piloto na TAP. Em 1974 regressaram para o Brasil e foi lá que se licenciou em Comunicação Visual na Faculdade da Cidade. Numa viagem aos Estados Unidos da América, conheceu o marido, belga e piloto na TAP como o seu pai. Como tinha família portuguesa, concordou em vir morar com Cláudia para o nosso País há 34 anos, e por cá ficaram até hoje.

A designer explica que sempre teve uma forte ligação às artes e começou desde nova a fazer decorações. Primeiro eram as montras e vitrines e mais tarde vieram as decorações de Natal, que desenvolveu cá pela primeira vez no Cascaishopping, em 1992. A sua carreira em Portugal cresceu rapidamente e passou por todos os grupos de shoppings nacionais, chegando mesmo a decorar 30 centros comerciais num único mês, sempre com decorações exclusivas e que saem inteiramente da sua cabeça, apoiada por equipas que podiam chegar a 90 pessoas para montar toda a operação.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA