compras

Inês Lopes: a ourives mais jovem do concelho que criou uma marca de joalharia sustentável

Estudou em Londres, regressou a Oeiras por causa da pandemia e agora faz trabalhos personalizados incríveis.
Com 23 anos, é responsável pela marca Ynesh Jewellery.

Atualmente, há alguém que consiga sair de casa sem um acessório nas orelhas, mãos ou pescoço? Esses pequenos pormenores que dão outro ar aos looks já existiam há muitas décadas, claro, mas tornaram-se essenciais para qualquer pessoa recentemente e desde então tem sido difícil resistir-lhes. A verdade é que fazem completamente a diferença e o mundo da moda rendeu-se a eles, convertendo-os num must-have em todas as estações do ano.

Nesse sentido, a New in Oeiras esteve à conversa com a mais jovem ourives do concelho para conhecer melhor o seu negócio sustentável, como o criou e qual o processo por detrás de cada peça. Inês Lopes, com apenas 23 anos, já é uma especialista da área.

“Comecei a estudar joalharia no secundário, na Escola Artística António Arroio [no Bairro do Alto de São João, em Lisboa], fiz os dois anos do curso e depois fui para a London Metropolitan University para estudar outra vez joalharia [fashion accessories and jewellery]. Com isto tudo da Covid-19, voltei [para Oeiras] a meio do curso, comprei ferramentas e comecei a fazer peças para não ficar parada e as coisas começaram a resultar”, contou a jovem. 

A verdade é que Inês sempre gostou de guardar objetos que fossem preciosos e que lhe fizessem recordar de alguma coisa ou momento. “A joalharia remete muito para esse lado da preciosidade e para amuletos da sorte que guardamos porque têm significado. Quando experimentei trabalhar com metal gostei imenso e comecei a perceber que conseguia contar histórias a partir da joalharia”, acrescentou.

Desde que regressou para o concelho, no início de 2020, colocou mãos à obra e criou a sua própria marca. Ynesh Jewellery é baseada num estilo urbano, sendo que é handmade e completamente sustentável, não existindo desperdício no processo de produção. Na maioria dos casos, as peças são inspiradas em formas da natureza e carregam em si conceitos como o empoderamento e o misticismo. Isto é: a inspiração para cada acessório é a ligação direta ou intuitiva com a espiritualidade ou mesmo com Deus. 

“Estudei joalharia conceptual, ou seja, as minhas peças têm um conceito por detrás. Normalmente, é algo que me faça sentido e possa fazer sentido para mais pessoas. Quero passar uma mensagem com aquilo que eu faço”, explicou Inês.

Se tem curiosidade em conhecer a forma como um anel é feito, por exemplo, nós explicamos-lhe tudo. Segundo a jovem ourives, primeiro é necessário fazer o molde em cera para que seja possível esculpir a peça. Depois é preciso fundir para tomar a forma que todos conhecem. A seguir, o acessório é polido e oxidado. Consoante o acabamento pretendido pelos clientes, o passo seguinte é o banho de ouro. 

“Se for uma peça com um design meu, consigo fazê-la mais rápido, normalmente duas semanas depois da fundição. No entanto, tenho um serviço de peças personalizadas onde permanece o meu estilo, mas as pessoas podem escolher o desenho. Dependendo do design, as peças personalizadas podem demorar cerca de três a quatro semanas”, revela à NiO.

A marca Ynesh Jewellery é 100 por cento portuguesa e tem sido um verdadeiro sucesso. O talento de Inês Lopes nota-se em cada acessório e desengane-se se acha que aqui só vai encontrar anéis. Pois é, a jovem também faz colares e brincos super originais. Caso ande à procura de uma peça especial para a próxima ocasião importante, vai encontrá-la aqui sem sombra de dúvidas. Recordamos-lhe que o Dia dos Namorados está a aproximar-se a passos largos e fica sempre bem oferecer um presente. 

Para fazer encomendas, basta enviar mensagem privada para a página de Instagram da marca. Se precisar de ajuda para obter o design final ou caso necessite de um orçamento primeiro, também é fácil: Inês está disponível para o ajudar.

De seguida, carregue na galeria para ficar a conhecer algumas peças já produzidas pela jovem oeirense. 

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA