compras

Fenómeno: as sapatilhas infantis da Nike que as mulheres portuguesas andam a usar

O modelo Nike Air Force 1 Low foi desenhado especialmente para os miúdos, mas tornou-se num sucesso de vendas para toda a gente.
Podem custar entre 40 e 80 euros.

Escolher o calçado mais cool e confortável para os miúdos nem sempre é uma tarefa fácil. Sobretudo quando queremos que as sapatilhas combinem com as várias peças de roupa coloridas e estampadas, tão características dos armários infantis.

Porém, existem umas sapatilhas icónicas que estão a ser um fenómeno de vendas em Portugal: as Nike Air Force 1 Low. São cada vez mais procuradas e um dos modelos mais vendidos do ano no nosso País. Para ter uma ideia, só na loja JD Sports, já foram vendidos quase 11 mil exemplares.

Este modelo de cano baixo surgiu em 1983, mas continua a ser um sucesso — por causa do design e do conforto. Aliás, nos anos 90 as Nike Air Force 1 Low eram idolatradas por alguns dos maiores artistas de rap e hip hop que as tornaram lendárias até aos dias de hoje. Mais tarde, o artigo foi adaptado à seção infantil e não podia ter corrido melhor. Este ano, por exemplo, estão a ser um verdadeiro sucesso em várias lojas de Portugal. Os tamanhos vão do 15 até ao 38,5 nas diferentes categorias da Nike: bebé (até aos 3 anos), criança (dos três aos sete anos) e júnior (dos oito aos quinze anos). 

Apesar de estar claramente identificado com um artigo para os mais novos, as mulheres também podem — e estão — a aproveitar os números mais altos para comprarem esta versão das Nike Air Force 1 Low para si próprias. Neste momento, existem mais de oito cores —a versão em branco total parece estar a ser a mais popular.

Os preços variam consoante os tamanho. Começam nos 40 euros e podem chegar aos 80 euros, no caso de escolher o modelo da divisão júnior — e que também dará para as mulheres com pés mais pequenos.

De seguida, carregue na galeria para conhecer outras versões de sapatilhas que estão à venda em Portugal e que são particularmente apetecíveis entre as mulheres.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA