compras

Como a nova decoração da Sala Oval representa uma era de mudança para os EUA

Joe Biden substituiu as escolhas de Trump por quadros e bustos de ativistas e progressistas que marcaram a história do país.
As cortinas e carpete foram mudadas.

Antes de o novo presidente dos Estados Unidos entrar na Sala Oval pela primeira vez quando assumiu oficialmente o cargo, já o espaço tinha sido redecorado para representar o tipo de liderança que quer iniciar. Esta quarta-feira, 20 de janeiro, a tomada de posse de Joe Biden no Capitólio, em Washington, ficou marcada por vários momentos e atuações inesquecíveis que deixaram uma promessa no ar: vêm aí tempos de mudança.

É uma tradição com muitos anos, esta que permite aos novos presidentes dos Estados Unidos fazerem algumas alterações na sala lendária de forma a refletir os seus gostos pessoais e aspirações presidenciais. Biden não é exceção. Mas a saída catastrófica e carregada de mediatismo do ex-presidente Donald Trump pedia, mais do que nunca, um novo começo.

Foi de forma “dramática e subtil”, como a “CNN” a descreveu, que esta transformação ocorreu. Um dos primeiros elementos decorativos a saírem numa questão de horas foi o retrato do presidente populista Andrew Jackson, substituído por um grande quadro de Franklin Roosevelt, o homem que já havia guiado o país para fora de tempos conturbados — uma tarefa semelhante àquela que foi confiada a Joe Biden. A obra é uma criação de Joseph Duplessis foi emprestada pelo conceituado museu Smithsonian.

sala oval

“Era importante para o presidente Biden entrar numa Sala Oval que se parecesse com a América e que mostrasse a paisagem de quem ele será enquanto presidente”, explicou a diretora desta divisão da Casa Branca ao jornal norte-americano “The Washington Post”. Junto ao retrato de Roosevelt está um conjunto de pedras lunares, que pretendem representar o seu interesse pela ciência.

Biden também escolheu para o seu novo escritório alguns bustos de progressistas notáveis e ativistas negros que marcaram a história dos Estados Unidos, que estão agora distribuídos pelo espaço. Robert F. Kennedy, Martin Luther King Jr., Rosa Parks, Eleanor Roosevelt e o latino que foi líder trabalhista e ativista dos direitos civis, Cesar Chavez.

Chavez procurou sensibilizar a população para as condições duras dos trabalhadores agrícolas nos Estados Unidos e lutou por melhores salários. A inclusão do seu busto aconteceu no mesmo dia em que Joe Biden propôs uma legislação que permite que trabalhadores imigrantes sem documentos se possam inscrever para receberem Cartas Verdes de forma imediata.

Dos tempos de Trump foram também removidas as bandeiras militares que estavam penduradas por detrás da secretária e foram substituídas pela bandeira oficial dos Estados Unidos, além também da bandeira presidencial, segundo o “The Washington Post”.

Biden também trocou as cortinas em dourado claro por um tom mais escuro — aquele que havia sido usado no escritório de Bill Clinton — e trocou a carpete por uma nova, em azul escuro. Pendurados nas paredes estão novos quadros de figuras como George Washington, Abraham Lincoln, Thomas Jefferson e Alexander Hamilton. O busto de Winston Churchill foi retirado.

sala oval

Outra pequena (e curiosa) mudança estava sobre a Resolute Desk (o nome por que é conhecida a famosa secretária oferecida pela rainha Vitória). Trump era um ávido consumidor de Coca-Cola — alguns relatos até afirmam que tinha um botão na Sala Oval onde carregava para que lhe fossem entregar o refrigerante. Por outro lado, gostava de usar marcadores pretos de ponta grossa para assinar o seu nome nos documentos importantes, quase como se fosse um autógrafo de uma celebridade.

Agora, a secretária tem em cima um conjunto de chá e uma caixa de canetas esferográficas tradicionais, para que Biden possa beber chá e assinar documentos.

As fotografias de Trump também foram trocadas por molduras com a família de Biden. São tantas que é fácil perceber que o novo presidente tem uma família numerosa. Entre elas, está um retrato do seu filho Beau, político e advogado que morreu de cancro em 2015. Foi uma das várias tragédias pessoais que Biden enfrentou ao longo da vida.

Segundo o “The Washington Post”, que teve uma visita privilegiada ao espaço, as mobílias foram trocadas na manhã de quarta-feira para estarem preparadas para a chegada do novo presidente. Ao longo do dia, a tomada de posse contou com uma atuação arrepiante de Lady Gaga e a entoação de um poema comovente por Amanda Gorman. De forma simbólica, foram muitas as mulheres que se vestiram de roxo para o evento. Leia o artigo da NiT para saber porquê.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA