comida

Tomar.te: o quiosque do Parque dos Poetas onde a comida tem um toque de chef

João Pedro Almeida é o responsável pelo novo conceito do espaço, onde as tostas e os hambúrgueres são tratados como alta cozinha.
Quer marcar pela diferença.

“Somos um quiosque, sem servir comida de quiosque”. Quando surgiu a oportunidade de ficar com o espaço, situado em pleno Parque dos Poetas, João Pedro Almeida decidiu que ia criar um conceito à sua medida. Sem grande área de cozinha, o chef conseguiu montar, em reduzidos metros quadrados, tudo o que precisa para servir os clientes com a qualidade desejada e o know how de mais de uma década a trabalhar na área de gastronomia. 

O antigo Copo dos Poetas chama-se agora Tomar.te. “Representa o desejo incontrolável de tomar algo, unindo a ideia de uma cozinha mais natural. Daí ter escolhido um tomate como símbolo do espaço”, conta João Pedro, de 39 anos, à NiO. Queria diferenciar-se de outros espaços do género, que servem apenas bolos ou artigos de pastelaria. 

Por isso, investiu num menu composto por refeições leves e rápidas, com opções como sandes, tostas e hambúrgueres, todas elas com o seu toque pessoal. “Por exemplo, as tostas são diferentes, é tudo caseiro, com pão de massa mãe, pickles feitos por mim, manteiga com alho assado. As saladas também são compostas, bonitas, com muitos apontamentos de texturas e sabores. Ainda hoje fiz uma salada caprese, que leva mozzarella, tomate, vinagre balsâmico e manjericão, mas arrisco criar um creme de mozzarella, com alguns pedaços a cru, vários tipos de tomate, apostando na sazonalidade”, refere.

Também os hambúrgueres são confecionados com todo o cuidado. “Sou eu que compro as peças e arranjo a carne. Tento trazer para aqui todos os meus conhecimentos, o meu background, e proporcionar uma comida mais cuidada. Não consigo transportar tudo o que sei, o espaço é reduzido, mas faz muita diferença a forma como se armazena, como se emprata, a proteína que se escolhe, e esses cuidados eu tenho”, aponta. 

Esse tem sido, aliás, o grande feedback dos clientes que, desde o dia 24 de fevereiro, data de abertura do quiosque, têm frequentado o espaço. “As opiniões têm sido muito favoráveis nesse sentido. As pessoas ficam surpreendidas com as ofertas diferentes, por ser um quiosque. Vindo eu da área de cozinha de autor, e tendo pratos de assinatura meus, só assim tinha sentido”, conta o responsável. 

Entre as diferentes propostas, pode provar o hambúrguer Tomar.te (8€) com carne em pão brioche, com bacon crocante, queijo cheddar, cebola caramelizada, pickles caseiros e maionese ou o hambúrguer vegetariano (8,5€) com patty de soja em pão brioche, com alface, tomate seco, queijo vegan e curgete grelhada. 

Um espaço agradável, com boa comida.

Se preferir tostas, encontra diferentes sabores entre a de frango (5€) com pão de massa mãe, peito de frango desfiado, maionese de kimchi, cebola frita crocante e ovo cozido, ou a de atum (5€) , com pão de massa mãe, pasta de atum da casa, cebola frita crocante, pickles caseiros e ovo cozido. Para refeições mais leves, opte por uma salada de frango (7€) ou caprese (5€). 

Para petiscar, tem opções como tábua de queijos (7€), húmus do dia (4,5€), mix chips (1,5€) ou salgados (1,5€). Além das sugestões, pode pedir uns scones para o lanche (1,3€ a 2,15€) simples, com manteiga, fiambre ou queijo. Para beber, há produtos de cafetaria, sumos naturais do dia (2,5€), vinho a copo, sangria de frutos vermelhos, cerveja, e bebidas espirituosas.  

Com um percurso pouco linear, João Pedro é arquiteto de formação, passou pela área do marketing, teve um bar no Bairro Alto, até decidir tirar o curso de gestão e produção de cozinha, na Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa. Estagiou no Feitoria, começou a trabalhar com o chef Paulo Morais e passou por diferentes espaços de restauração, onde chefiou diferentes cozinhas. 

No entanto, o sonho de ter um espaço próprio falou mais alto. “Sempre quis mostrar o que sei fazer, aquilo para o qual tenho jeito”, sublinha. “Quando surgiu a oportunidade de ficar com o quiosque, vim visitar o espaço com a minha filha bebé, de 15 meses, e tanto eu como ela tivemos as melhores sensações deste sítio. A primeira palavra dela foi pato, a querer brincar com os patinhos aqui do lago”, conta João Pedro.

Na verdade, foi mesmo o facto de ser pai que o fez sentir que este era o caminho certo. “Como estou numa onda de pai recente, tudo o que vejo é relacionado com famílias. E sentia falta de espaços assim nesta zona. Quando chegámos, imaginei a minha filha e os meus amigos com os seus filhos, todos aqui à vontade. A minha ideia sempre foi criar um espaço familiar, que fosse bom para as crianças poderem brincar, enquanto os pais aproveitam a esplanada, e comem descansados”, refere. 

Para o futuro próximo, João Pedro tem vários planos. Um deles, é chamar chefs amigos, de outros restaurantes, para criar dias temáticos no quiosque, “por exemplo, um dia de comida japonesa, outro de sabores do Médio Oriente, etc”, revela.

Acredita ser um conceito vencedor, até porque como tem vindo a perceber, esta é uma zona muito frequentada por clientes estrangeiros. “Não tinha noção que viviam aqui tantas pessoas de outros países. Todos os dias passam por aqui pessoas do mundo inteiro, que escolheram Oeiras para viver”, conta.

Além da oferta gastronómica e do ambiente agradável, rodeado pela natureza do parque, João Pedro quer tornar o quiosque num espaço de cultura e arte. “Temos muitos planos. Quero ter música ao vivo, principalmente nos meses de verão em que o parque fica aberto à noite. E também associar arte ao espaço, ter exposições de escultura, pintura, fotografia, etc. Além disso, vou criar um ponto de biblioteca, para incentivar a troca de livros”, diz à NiO. 

Carregue na galeria para ver algumas imagens do Tomar.te.

ver galeria

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Rua António Passaporte 2
    2780-011  Oeiras
  • HORÁRIO
  • Terça a domingo, das 9h às 23h
PREÇO MÉDIO
Menos de 10€
TIPO DE COMIDA
Cafetaria

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA