comida

Mercearia André: há 80 anos a servir as famílias oeirenses

Uma casa com história que se reinventa constantemente para dar resposta às exigências dos clientes atuais.
O espaço de refeições.

Em 1942 a Europa estava em plena Segunda Guerra Mundial e Portugal vivia sob um regime ditatorial. A Guerra adiou o campeonato do mundo de futebol, nesse ano, mas por cá o Sport Lisboa e Benfica tornou-se campeão. Não havia televisão (só chegaria 15 anos depois), mas no cinema estreavam filmes como “Casablanca” e “O Pátio das Cantigas” e nasciam ícones musicais como Aretha Franklin, Paul McCartney, Gilberto Gil, Caetano Veloso e, ainda, José Cid.

Oeiras era, nessa época, uma pequena vila entre o mar e campos a perder de vista. Existem poucos negócios nascidos nessa época que tenham sobrevivido para contar a sua história, mas um deles continua de portas abertas, após oito décadas. Em junho de 1942, Oeiras ganhava uma mercearia de bairro, gerida por um senhor, de apelido André, que nasceu para dar resposta às necessidades das famílias que moravam na zona.

“Sei que o senhor André abriu esta casa já com o objetivo de ser multifunções. Era mercearia, drogaria, servia vinho a copo, ou seja, tinha já um conceito de mini centro comercial naquela época, com oferta de vários tipos de serviços aos clientes”, conta-nos António Fernandes, o atual gerente do espaço, formado em gestão de empresas.

“Na altura era uma das melhores mercearias entre Cascais e Lisboa. Oferecia um serviço muito importante para todas as famílias da zona. Tanto que no próprio logotipo, em baixo do nome, escreveram “a mercearia familiar”, porque todas as famílias vinham aqui. Era muito familiar, não só o serviço em si, como também o relacionamento dos funcionários com os clientes. Acabou por ter essa designação que ainda hoje persiste no tempo”, acrescenta. 

Desde aí, a Mercearia André foi evoluindo naturalmente. “Uns anos mais tarde, já na segunda geração, foi o filho do fundador e a esposa, que assumiram o espaço, mas sofreram um duro golpe, quando os centros comerciais e os hipermercados começaram a surgir. As pequenas mercearias começaram a ter dificuldades em concorrer com estes espaços e muitas fecharam portas”, conta o atual sócio-gerente.

O balcão de cafetaria com a zona de mercearia ao fundo.

A forma de dar a volta à situação, foi abrir, neste espaço, um pronto a comer, conferindo-lhe uma nova valência. “A mulher dele tinha muito jeito para a cozinha, então remodelaram o espaço, montaram uma zona de mesas e fizeram o pronto a comer, mantendo a mercearia numa zona menor da loja, com um leque de produtos menor também. A comida da Mercearia André começou a ganhar muita fama aqui na zona, toda a gente vinha cá a almoçar ou levava para casa. Foi uma evolução muito importante porque, desta forma, a mercearia foi conseguindo manter-se viva e de portas abertas, adaptando-se às circunstâncias que o mercado e o mundo foram apresentando”, garante António, que faz o mesmo desde que assumiu a gerência do espaço, há oito anos.

Do 8 ao 80

António Fernandes, juntamente com dois sócios, ficaram com o espaço em 2014. Faz oito anos que assumiram a loja, ao mesmo tempo que a mercearia faz 80, uma curiosidade que considera engraçada. Lamenta não ter fotografias antigas do espaço, já que é com orgulho que hoje gere esta casa histórica. Não foi só o nome que se manteve com a mudança de gerência, também as funcionárias que já faziam parte da casa, e ainda o conceito de pronto a comer. Como o espaço já era muito conhecido, as mudanças feitas não foram radicais, serviram apenas para torná-lo mais atual.

“Fizemos uma mudança importante, que foi trocar o sítio da sala de refeições com a zona da mercearia. As mesas estavam mais no interior da loja, enquanto a mercearia estava mais junto às janelas. Tinha mais sentido pôr as mesas onde há mais claridade, mais luz natural”, sublinha o gerente, que também decidiu mudar o balcão da cafetaria para a zona central da loja.

A Mercearia André continua a servir almoços todos os dias, assim como pequenos-almoços e lanches, seja no espaço interior ou na pequena esplanada no passeio. Um dos privilégios de ser uma loja antiga, é ter clientes muito fiéis. “Estou aqui há oito anos e posso dizer que há pessoas que almoçam aqui diariamente”, afirma António que nos conta, de seguida, como consegue fidelizar os clientes: “Temos uma ementa que nunca é fixa, muda todos os dias, de segunda a sábado. Esta inovação diária faz com que as pessoas não se fartem. Sabem que aqui provam pratos diferentes todos os dias e tentamos introduzir uma novidade, algo que nunca foi feito no André, todas as semanas”.

Esta sexta-feira, dia 27 de maio, por exemplo, será servido um prato especial para quem gosta de marisco: camarões fritos com pimentos. António garante que é a dinâmica de manter os clientes satisfeitos com variedade de oferta, que faz a diferença, assim como a qualidade dos produtos e o sabor caseiro.

A Mercearia André partilha diariamente o menu nas redes sociais, como o Instagram e o Facebook. Um menu com prato, sopa ou bebida e café custa 9€, se for completo, com bebida e café, é 10€.

A zona dos produtos frescos.

Além do pronto a comer e respetivo take-away, a Mercearia André apostou também no take-away de comida congelada. “Já que fazíamos comida, comprámos um equipamento especial para isso e assim oferecemos comida já pronta, congelada, que as famílias podem ter em casa. Ajuda imenso na dinâmica do dia a dia, é só aquecer nos dias em que tiverem menos tempo ou que estejam mais cansados”, sugere António Fernandes.

Apesar de ter tido um serviço de catering até 2021, neste momento a Mercearia André já não organiza eventos a este nível. De qualquer forma, se tiver um almoço ou jantar com mais pessoas, saiba que pode encomendar a refeição. “Confeccionamos o que for preciso, a pedido do cliente, e depois ele vem cá buscar ou entregamos em casa. Somos uma solução para esse tipo de eventos em casa”, refere.

Mercearia, pronto a comer e take-away congelado. É esta a diversidade de serviços que António garante ter sido fundamental no crescimento do negócio e “na captação de nova clientela, que ultrapassa os limites de Oeiras, vai desde Cascais até Lisboa, Sintra, por aí fora”.

Um dos objetivos para este ano é remodelar e modernizar todo o espaço de mercearia, que António considera já não estar tão bonito e de fácil acesso aos clientes. Por outro lado, renovaram o espaço de refeições há duas semanas, com toalhas novas num padrão de xadrez esverdeado, pois considera ter uma aspeto mais clean e mais fresco, com o tom vintage que o espaço pede.

Na zona de mercearia encontra produtos de higiene pessoal e para a casa, bens essenciais como arroz, massa, leite e ovos, também cereais, sumos, vinhos, chocolates e todo o tipo de artigos típicos de uma loja de conveniência. Há também a zona dos frescos, com pão, fruta e legumes que chegam todos os dias e um espaço de produtos tradicionais como compotas, mel, biscoitos, entre outros.

“Queremos manter sempre o padrão de qualidade, as pessoas sabem que aqui encontram produtos frescos e de boa qualidade, seja em que segmento de negócio for”, afirma o gerente do espaço.

A zona de mercearia.

Os últimos dois anos não foram fáceis para os negócios de bairro. Foi a reinventar-se que a Mercearia André conseguiu sobreviver à pandemia. “Comecei a fazer entregas ao domicílio, a ajudar os clientes que não podiam sair de casa. Ia aos supermercados, enquanto estava ao telefone com eles, para comprar o que precisavam. Tínhamos 150 famílias que dependiam de nós naquela altura. Enquanto os grandes supermercados tinham previsão de entrega de um mês, nós entregávamos no dia seguinte” conta, orgulhoso, António.

A filosofia do empreendedor é também a do espaço: oferecer produtos de qualidade, aliados a um serviço de excelência, assente em dois conceitos base, que ensina a todos os colaboradores — simpatia e disponibilidade. “É o que nos distingue, é assim que ganhamos a confiança dos clientes. Nunca vamos ser o problema, vamos ser sempre a solução”, conclui.

FICHA TÉCNICA

  • MORADA
    Av. Carlos Silva 3, Santo Amaro de Oeiras
    2780-354 Oeiras
  • HORÁRIO
  • Segunda a sexta das 8h30 às 20h
  • Sábado das 9h30 às 19h (encerra aos domingos)
PREÇO MÉDIO
?

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA