comida

Já pode encontrar as Papinhas do Sebastião em várias lojas de Oeiras

A marca oeirense, que aposta numa receita de papa original e biológica, saiu do online e chegou às prateleiras do concelho.
Um puré à base de fruta para todas as idades.

Basta ir a qualquer supermercado para ter uma noção da quantidade de papas de bebé que existem. Multiplicam-se nas prateleiras papinhas de várias marcas, diversos sabores e para diferentes idades. Por vezes, fica difícil escolher qual comprar e perde-se muito tempo e dinheiro até descobrir as iguarias favoritas dos mais novos. Há também quem acabe por confecionar papas mais naturais em casa, por uma questão de preço ou até por não querer dar comida industrializada aos miúdos, produzindo-as apenas com ingredientes controlados para satisfazer as necessidades dos filhos. 

Foi precisamente assim que começou a história que lhe contamos agora. Há três anos, Cláudia Silva e Filipe Saraiva foram pais do pequeno Sebastião. Quando chegou a altura de o bebé começar a comer papas, o casal decidiu experimentar fazer uma versão caseira para dar ao filho, depois de experimentar algumas que existiam no mercado.

“Sempre nos deu muito gosto fazermos nós próprios as papinhas do Sebastião. Pareceu-nos naturalmente o melhor a fazer. Nós gostávamos de purés de fruta e acabámos por comparar os que fazíamos com os do mercado, que achámos que tinham um sabor mais neutro, mais desenxabido”, confessa Filipe à NiO. “Apercebemo-nos que a papinha que fazíamos era mais doce, mais também mais rica e tinha um gosto muito mais interessante”, conclui.

A verdade é que chegaram a uma receita que consideraram não só mais saudável, mas muito mais saborosa do que as que encontravam à venda. Mas faltava uma prova de fogo: saber a opinião do verdadeiro juiz deste caso, o filho. O veredicto foi positivo e a papa caseira passou no teste com distinção. 

Sebastião com o pai, Filipe.

Este podia ser apenas mais um relato de introdução alimentar na vida de um bebé, numa família oeirense, não fosse o casal ter decidido que a papa era tão boa, que merecia chegar a mais casas e famílias. Foi assim que nasceu a Papinhas do Sebastião, uma marca com sede no concelho de Oeiras, já que Cláudia, Filipe e Sebastião moram em Paço de Arcos.

Mas, afinal, porque é que esta papa é diferente das que já existem? Foi isso que a NiO quis saber. Maçã, batata doce, tâmaras, limão e aveia. É esta mistura invulgar de ingredientes, 100 por centro biológicos, sem adição de açúcares ou conservantes, que é utilizada nas Papinhas do Sebastião — com certificado bio.

Quem provou garante que tem um sabor muito característico e o mais curioso é que não são apenas os bebés que gostam. “Este é um produto compatível com o paladar dos bebés, mas também dos adultos”, garante o fundador da marca, que revela ter sido essa a característica principal para escolher o slogan: “Para bichinhos humanos, dos seis meses aos 100 anos”.

Os ingredientes.

Foi a versatilidade do produto, em relação ao paladar, textura e o facto de poder ser apreciado por toda a família, que os fez sentir que esta era uma boa oportunidade. “Não havia nenhuma marca que tivesse uma comunicação orientada para várias idades”. Na realidade, esta papa torna-se um excelente snack para qualquer hora do dia, um bom pequeno-almoço, acompanhada por frutos secos ou uma excelente sobremesa.

Da ideia passaram à ação e, em 2020, criaram a empresa. Foram dando passos curtos neste mundo de negócios em que estavam a começar. Só um ano depois, em 2021, é que chegaram oficialmente ao mercado com a criação de uma loja online. Hoje em dia alugam uma cozinha industrial, na Parede, sempre que precisam de repor stocks. “É fascinante ir descobrindo este mundo e trabalhando sempre para criar um produto melhor”, conta Filipe.

A marca foi tão bem recebida no mercado que do online passou para algumas lojas físicas. Foi há cerca de um mês, em junho, que as Papinhas do Sebastião começaram a chegar às prateleiras de todo o concelho de Oeiras. São vários os revendedores onde pode encontrar este produto como, por exemplo, a loja Miosótis em Santo Amaro, a Biocourela no centro comercial Palmeiras, o Chá da Barra no Palácio do Egipto, a loja d’Alentejo com Amor e o Café O Papagaio em Nova Oeiras. Encontra também na Bio Emotions nas Piscinas do Jamor (Cruz Quebrada).

Se comprar diretamente no site da marca, um frasco custa 2,50€. Nos revendedores pode chegar aos 3€. É possível comprar à unidade ou em conjuntos de seis, por 15€. 

Cláudia e Filipe chamam ao produto a papa número 1, já que a ideia é que muitas mais surjam no futuro. Pode seguir a marca através das páginas de Instagram e Facebook para ficar a par de todas as novidades, produtos e sabores que vêm por aí. 

Carregue na galeria para ficar a conhecer melhor a marca e ver algumas imagens do processo de fabrico.

ver galeria

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA