comida

A história da empresa oeirense de tartes de amêndoa que agora faz outros bolos

Susana Cavaco é um caso de verdadeiro sucesso no mundo da pastelaria caseira. O projeto lançado em 2013 mudou com a pandemia.
Que maravilha.

Susana Cavaco é designer de comunicação e trabalhava na Thompson JWT em 2013, quando foi despedida. Especialista em tartes de amêndoa, rapidamente daria uma volta radical na sua vida e tornar-se-ia numa pasteleira a tempo inteiro.

“A minha mãe não costumava fazer bolos, fazia só aqueles doces mais tradicionais, como o pudim ou arroz doce. Eu sempre adorei viajar e provar comidas do mundo. Adoro experimentar coisas novas e diferentes. Por isso se as queria experimentar em casa, tinha de as cozinhar”, conta-nos.

Foi assim a partir dos 15 anos. Experimentava receitas novas para as poder provar. Em cada aniversário, ou festa familiar, ficava encarregue dos bolos. “Tornei-me a doceira da casa.”

Já depois de deixar a morada dos pais, continuou a adoçar os encontros entre amigos. “Foram eles que me incentivaram durante imenso tempo, sobretudo quando fiquei desempregada, a vender bolos.”

A sua especialidade era a tarte de amêndoa, por isso, criou A minha Tarte de Amêndoa. Focou-se em restaurantes, mas também na venda ao público. “Criei, com um colega, o Urban Market e assim tinha um espaço onde podia montar uma banca e dar a conhecer a minha tarte.”

Atualmente, lidera o mercado sozinha, já não vende lá os seus bolos, e mudou-lhe o nome para Mercado da Linha. Acontece no Oeiras Parque, mas está temporariamente inativo devido à pandemia.

“Comecei a ter vários clientes a pedirem-me outro tipo de bolos por encomenda. Até que o nome A minha Tarte de Amêndoa deixou de fazer sentido.”

Em 2020, com o primeiro confinamento, Susana Cavaco viu-se obrigada a reestruturar o negócio. Com os restaurantes a fechar e o take-away a não ter muitas vendas de sobremesas, virou-se para a venda direta ao público, e a entrega ao domicílio.

“Foi aí que alterei o nome para Take my cake away, o que fazia todo o sentido dada a situação. E, uma vez que já estava a vender muito mais do que a tarte, uma mudança era essencial.”

Os bolos podem ser encomendados nas páginas de Facebook, Instragram, por telefone (938 471 014), ou por email (takemycakeawaypt@nullgmail.com) — em breve estará também disponível um site.

E quais são as possibilidades que existem por lá? A tarte de amêndoa (17,50€), claro, pavlova (20€ a 30€), bolo de chocolate merengado (25€), quindim (20€), toucinho do céu (20€), brownie (20€), tarte de caramelo salgado com ganache de chocolate (18,50€), e tarte de noz (17,50€).

“Mas se me pedirem outro tipo de bolo, também o faço. Tudo funciona por encomenda, e utilizo sempre produtos de qualidade. Como manteiga dos Açores, e não margarina.”

A criadora pede que as encomendas tenham um mínimo de 48 horas. As entregas no concelho de Oeiras têm o custo de 2,50€. Se quiser levantar a sua encomenda, pode fazê-lo em Porto Salvo.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA