comida

Esta loja oeirense vende o bolo brasileiro que é património imaterial da humanidade

O bolo de rolo é oriundo de Pernambuco, o mesmo estado do Brasil de onde vem Regina Teixeira, que criou a Bolo de Rolo Finas Fatias.
Já conhece?

Regina Teixeira tem 60 anos, é brasileira, do Recife, e chegou a Oeiras há dois anos. Administradora de formação, trabalhou numa empresa de açaí, com loja no Chiado.

No Brasil, tinha uma escola de voleibol, geria uma loja e ainda tinha outra atividade extra: a confeção e venda dos famosos bolos de rolo. “É um doce típico do estado de Pernambuco. É muito conhecido no Brasil. Aliás, não há nenhum aeroporto em todo o país que não o venda”, conta Regina Teixeira à New in Oeiras.

Quando chegou a Portugal, mais precisamente a Caxias, dedicou-se ao negócio de açaí de uns amigos até ter sido dispensada, aquando do início da pandemia do novo coronavírus. “Foi aí que percebi que existe uma grande comunidade brasileira cá e pensei em regressar aos bolos de rolo.”

Em maio de 2019, criou uma página no Instagram onde publica fotografias das suas iguarias e cria contactos com clientes. “O que eu mais gosto é das mensagens que depois recebo. Os meus clientes dizem que comer os meus bolos os remete para o Brasil. Que tem gosto de saudade.”

De acordo com a criadora do projeto Bolo de Rolo Finas Fatias, este doce tipicamente brasileiro foi declarado património cultural e imaterial da humanidade. E, curiosamente, a sua origem é portuguesa.

“Quando D. João VI foi para o Brasil, levou consigo várias receitas. Uma dela foi o colchão de noiva, feito com amêndoas. Em Pernambuco proliferavam as plantações de goiaba e cana de açúcar. Foi depois feita uma reinterpretação e assim surgiu o bolo de rolo, feito habitualmente com recheio de goiabada.”

Este é também o sabor que Regina mais vende. “Eu diria que vendo 90 por cento de bolos com goiabada e 10 por cento com doce de leite, apesar de fazer outros sabores.”

É possível comprar um quilo (24€), meio quilo (14€) ou as miniaturas (3€ cada). Mais recentemente, surgiram ainda as compotas, também caseiras. Custam 6,50€ (cada frasco de 350 gramas) e existem em vários sabores, como goiabada cremosa, doce de leite com ameixa ou cocada.

Pode fazer o seu pedido através do Instagram ou do WhatsApp (910 640 514) e combinar se quer levantar a sua encomenda na casa de Regina Teixeira ou encontrar-se com a empresária numa estação de comboios do concelho de Oeiras — em qualquer dos casos, não paga taxa de entrega. Além disso, há a promessa de receber sempre “um miminho”.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA