comida

Do bacalhau à Brás às bifanas, o que é que os portugueses mais cozinharam no confinamento?

Um estudo revelou o top cinco dos pratos que mais foram preparados nos últimos meses. São tudo opções de cozinha tradicional.
O bacalhau foi o prato mais reproduzido.

Nos últimos meses, a cozinha tem sido das divisões mais procuradas em casa. O confinamento levou a que muitas pessoas começassem a cozinhar mais, embora tenham aumentado também as ofertas de take-away e delivery. Um novo estudo, realizado nos meses de janeiro e fevereiro, revela quais foram os pratos mais preparados em Portugal nesta altura de confinamento.

O estudo da Fly Research para a Mastercard teve 19 mil participantes e foi realizado em 19 países durante os últimos dois meses. Para Portugal, foram divulgados os pratos mais preparados durante estas semanas de estado de emergência.

O bacalhau à Brás está em primeiro lugar no que toca às confeções nas casas portuguesas. Já na segunda posição está um prato bastante simples: bifanas. O terceiro lugar coube a outro protagonista da cozinha tradicional, o arroz de pato.

O caldo verde é a única sopa neste top e claro que não podia faltar o cozido à portuguesa. Houve muito portugueses que optaram por cozer os próprios legumes, carnes e couves em vez de comprarem doses já prontas em alguns restaurantes que estavam a fazer este prato.

O estudo revelou ainda outras tendências dos consumidores nacionais nos primeiros dois meses do ano. 62 por cento dos inquiridos diz que se sente confiante a experimentar novos pratos e até criações próprias. Já 42 por cento explicou que os serviços de streaming serviram de inspiração para cozinhar.

Também pouco mais de metade dos participantes (51 por cento) diz que irá levar um estilo de vida mais saudável, e 55 por cento refere que as refeições trouxeram uma maior ligação às pessoas com quem convivem.

Além de Portugal, foram revelados os pratos mais consumidos de outros países. Por exemplo, em França são os crepes, em Espanha a tortilha, na Suécia as almôndegas, na Áustria o escalope, e na Ucrânia a sopa de beterraba.

 

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA