comida

Associação de restaurantes pede fim das restrições depois de perdas de 70%

É a estimativa feita pela PRO.VAR relativa ao último trimestre de 2020.
Houve perdas de 70 por cento da faturação.

Reposição dos horários e mais medidas de apoio. É isto que a associação de restaurantes PRO.VAR pede ao governo no arranque do novo ano que se espera exigente para o setor. Falam em perdas de 70 por cento nas receitas nos últimos três meses de 2020, quando comparado com o mesmo período de 2019.

“Três meses de contínuas medidas restritivas provocam quebras abruptas de faturação, ascendendo os 70 por cento de faturação em relação ao período homólogo e ainda ao aumento do desemprego (50.000 desempregados), encerramento parcial, falências e insolvências no setor (mais de 10.000 estabelecimentos)”, revela a PRO.VAR.

A redução dos horários e o encerramento aos fins de semana em algumas zonas do País traduz-se em “graves consequências económicas para o setor”. “A PRO.VAR deseja que neste novo ano o governo altere a estratégia de restrições e pede mais fiscalização e fortes penalizações para quem não cumprir com as regras de segurança. Outro desejo, prende-se com os apoios.”

Outro dos pedidos da associação passa pela isenção a 100 por cento da Taxa Social Única, a redução do IVA para a restauração e o apoio no pagamento das rendas, tudo isto “para permitir uma recuperação mais célere.”

Neste primeiro fim de semana de 2021, os espaços de restauração estão obrigados a fechar a partir das 13 horas. Apenas podem funcionar com os sistemas de delivery. Estas medidas mais restritivas contrastam com as do período do Natal em que foram menos drásticas.

MAIS HISTÓRIAS DE OEIRAS

AGENDA