comida

A hora da verdade: é esta a peça de sushi mais calórica de todas

Antes de ver a resposta, pense no seu palpite. Já está? Descubra tudo neste artigo.
Veja se é a sua favorita.

O sushi é uma daquelas coisas que se ama ou se odeia. Portanto, que nos leva aos extremos. No entanto, gostos à parte, foi uma moda que veio para ficar — nem a pandemia impediu os portugueses de encomendam para comer em casa e de voltarem agora aos restaurantes, perante o desconfinamento.

Ainda assim, as opiniões dividem-se em relação a este tipo de comida, sobretudo na área científica. Em 2017, um estudo veio alertar para os riscos do consumo do peixe cru, avançando que pode ter parasitas presentes. No entanto, isso apenas acontece se o peixe não for bem conservado antes de chegar à sua mesa. 

Dois anos depois, títulos como este multiplicaram-se na imprensa nacional e internacional: “Comer sushi pode colocar a sua vida em risco.” Um estudo português publicado no periódico científico BMJ chamou a atenção para o risco de infeções parasitárias associadas ao consumo de peixe cru nos países ocidentais. No artigo, os médicos relataram o caso de um homem português de 32 anos, que tinha desenvolvido uma severa dor de barriga, vómitos e febre. 

E muitos estudos foram e vão continuar a ser publicados. Ainda assim, tudo se resume ao sítio onde decide ir comer sushi. Os especialistas recomendam que se escolha um sítio de confiança.

Depois, a segunda questão: comer sushi engorda? Por norma, o sushi é feito à base de arroz branco, algas, peixe e vegetais — até aqui está tudo muito bem. O problema é que o arroz usado é branco e temperado com vinagre e açúcar.

Segundo a nutricionista Bárbara de Almeida Araújo, isto faz com que o índice glicémico do sushi seja elevado, devido ao arroz branco e ao açúcar. Além disso, este género de comida tem sofrido algumas alterações ao longo dos anos, tendo-se ocidentalizado. “Por isso, algumas peças são fritas, podendo levar maionese ou outros molhos, o que as torna mais calóricas”, explica à NiT.

Também é habitual usar e abusar do molho de soja numa ida a um restaurante de sushi, mas deve ter cuidado. O consumo em excesso deste mineral pode aumentar o risco de hipertensão e retenção de líquidos.

No fundo, a resposta à pergunta anterior é simples: este tipo de comida pode contribuir para o aumento de peso se não for consumida com moderação. Depois, claro, deve ter especial atenção às peças de sushi com o valor energético mais elevado e que podem prejudicar a dieta.

Tome nota daquela que detém o título de peça mais calórica: temaki de salmão. Conta a nutricionista, também autora do blogue “Manias de Uma Dietista”, uma peça significa um consumo de 174 calorias. Portanto, se ingerir quatro reflete-se em 696 calorias. Portanto, só com quatro peças já ultrapassou o número de calorias recomendado para um jantar de um adulto saudável: 600 calorias.

O conselho da especialista é começar a refeição com uma sopa de miso. Desta forma, terá menos apetite para o resto, não abusando nas quantidades de sushi.

Carregue na galeria para descobrir as restantes sete peças de sushi mais calóricas.

tags: calorias, fit, sushi

outros artigos de comida

mais histórias de Oeiras